Sexta-feira, 10 de Abril de 2009

 

 

Moagem – Cidade do Engenho e das Artes - Fundão

 

Todos na "camineta" ...
CASTELO NOVO
N 40º 04' 36.3''
w 7º 29' 41.46''
Que sono! Todos na caminhada... A Sofia, as pequenas Ana e Alice  a dormirem  na "camineta.
ALPEDRINHA
N 40º 05' 57.48''
W 7º 28' 0.12''
Todos na ginginha! Não fiquei a dormir! Porque será?
Sofia Moniz
 
Bem no coração da Gardunha, lá estávamos nós, num passeio que se tinha avizinhado tão agradável, mas que nos surpreendeu pelo tempo pouco convidativo. Isso não foi impedimento para que todos se encantassem com a beleza destas ruas e pedras que tantas histórias têm para contar.
Lá fomos andando, um pouco renitentes com a temperatura molhada, aquecendo-nos como podíamos…ginjinha para todos e muito calor humano!
Ana Ambrósio
 
Bolas. Estou doente... Doi-me a garganta, a cabeça e o corpo todo... Raios... Ainda por cima está a chover! Ai, mas na pousada não fico, quero ver o Fundão! E, munida de nimeds que chegariam para três semanas, parti à descoberta. E ainda bem que fui! A moagem surpreendeu-me, adorei o museu e Castelo novo (ora... não seriam umas dores de garganta a impedir-me de ir passear!)
Pelo caminho, fizemos uma pequena paragem na farmácia de serviço... ou melhor... invadimos a farmácia de serviço! Desde pés e dedos torcidos, passando por dores de barriga e acabando constipações, os MAEs levariam  à falência qualquer companhia de seguros de saúde!
Munidos de optimismo (e de muitos, muitos medicamentos), os MAEs continuaram a viagem, sempre com a mesma boa-disposição!
Ana Ferreira
 
Como te compreendo, Ana! Nem sei como me manter de pé! Dói-me a cabeça, o corpo e já nem consigo raciocinar. Tenho a ideia de que não digo coisa com coisa: deve ser da febre! Além disso, tenho os ouvidos entupidos e o nariz teima em não me deixar respirar! Já não devo ser boa companhia para ninguém, só me apetece uma caminha quente, uma aspirina e um spray de água do mar para descarregar no nariz. Uma farmácia era o que vinha mesmo a calhar...
Mas, realmente, ficar na cama é que não! O que iria ficar a fazer um dia inteiro sozinha na pousada? MAE que é MAE aguenta até ao fim! É ou não é assim?
Filipa Silva
 
 

 

Regresso ao maestágio.

Fui tão bem recebida pela maequipa que parecia que voltava para casa. Foi bom para mim ter regressado e sentido que este grupo já fazia parte da minha vida e iria deixar-me uma recordação que iria ficar também para sempre.

O 6º mae dia foi um dia de visita guiada a este “Portugal profundo” tal como o chamará o nosso maeMestre Prof.Doutor Amílcar.

Adorei este roteiro, sem dúvida que me tocou sob muitas formas, por um lado, estava em busca de respostas as minhas dúvidas existenciais e por outro apetecia-me descobrir aquelas terras que não conhecia.

Maeabraços,

Katy

 

 

 

Hoje os intensos dias passados, o desconcerto provocado pelas noites com poucas (ou nenhumas) horas de descanso, e as dores musculares estão a tentar medir forças comigo. Outros MAEs também já estiveram em melhor forma.
Mas ninguém quer “perder pitada” nesta visita Guida pela região do Fundão: Moagem – Cidade do Engenho e das Artes; Museu Arqueológico Municipal José Alves Monteiro; Alpedrinha; Escola Básica Serra da Gardunha – Fundão; Castelo Novo e a Procissão do Enterro do Senhor no Fundão…
“Portugal Profundo”!? Pois que seja! Precisamente pela sua “profundeza” ainda nos consegue presentear desta forma esplendorosa com as suas gentes, costumes, autenticidade, paisagem, produtos regionais…
De regresso à Pousada por entre o descanso e alguma descontracção começa o fermentar de mais acção no Cabeço do Pião.
Os MAEs não param!
Elsa Mesquita
 

 

Hoje é dia de passeio.
Gardunha, aí vamos nós!
Agora já não são expectativas é um doce sopro sobre a consolidação do MAEgrupo, em calma, sossego e a maravilhosa paisagem que nos acompanha, que desfrutamos quase extasiados…, tudo é espanto, admiração.
Estamos a chegar ao fim desta semana, já sinto, não sei se os outros também o sentem, até o tempo está triste, chora…
Fundão, Cidade do Engenho e das Artes!
Alpedrinha, uma jóia!
Castelo Novo, acho que poderia viver aqui!
Mas há sempre uma ginjinha, em qualquer lugar mais recôndito, para animar o pessoal!

Procissão do Enterro do Senhor – Fundão
 
Continuo imbuída no espírito da Semana Santa, tenho mesmo curiosidade de ver a procissão do Enterro do Senhor.
A escuridão, o silêncio e as “matracas”…
O cansaço impera, foi um dia grande e alguns/algumas MAES estão adoentados.
De volta à pousada e mais umas partidinhas…

Maria João Veloso
 

 

"OH DIVINO ÉTER!
OH SOPRO ALADO DOS VENTOS!
QUANDO OS DIABOS QUEREM APRESENTAR AS SUAS FORMAS MAIS NEGRAS,
APRESENTAM-NAS PRIMEIRAMENTE SOB FORMAS CELESTIAIS,
COMO EU AGORA FAÇO!
PORQUE ENQUANTO ESTE HONRADO IMBECIL
VAI PEDIR A DESDÉMONA QUE ADVOGUE APAIXONADAMENTE A SUA CAUSA,
EU INSINUAREI NOS OUVIDOS DE OTELO
QUE SERÁ POR SUSPEITA ENVENENADA POR QUE ELA LHO RECOMENDA!
DESTA MANEIRA A SUA VIRTUDE SERÁ O INSTRUMENTO DA SUA PRÓPRIA RUÍNA
E SERÁ A SUA GENEROSIDADE QUE URDIRÁ A TEIA
EM QUE OS ENREDAREI A TODOS!"
 
Excerto da fala da personagem IAGO ao dirigir-se, com cumplicidade, ao PÚBLICO, mas referindo-se à personagem OTELO, na peça de teatro OTELO (William Shakespeare)
 
 

 

publicado por daceaomundo às 23:58
link do post | comentar | | | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
arquivos

blogs SAPO


Universidade de Aveiro